Conecte-se conosco

MG

Atlético pode perder direitos de televisão da temporada de 2024 por dívida da Arena MRV

Filipe Andrade

Publicado

em

Atlético pode perder direitos de televisão da temporada de 2024 por dívida da Arena MRV

O Atlético está prestes a inaugurar a Arena MRV no próximo domingo, durante o confronto contra o Santos, válido pela 21ª rodada do Campeonato Brasileiro. Nesse sentido, a torcida está ansiosa por esse momento, esperando alta tecnologia e sustentabilidade no novo estádio.

No entanto, essa empolgação vem acompanhada por uma dívida considerável de R$ 440 milhões, cujo prazo para quitação se estende até 2029, gerando juros adicionais de R$ 300 milhões.

Recentemente, houve uma adição à lista de “recebíveis” do Atlético, os quais servirão como garantia para o pagamento dessa dívida. Ainda mais, trata-se da cota de venda dos direitos de televisão da temporada de 2024 do Galo, estipulados em R$ 150,8 milhões provenientes do Campeonato Brasileiro do próximo ano.

Esse montante refere-se à comercialização dos jogos do Brasileirão para diferentes meios, como TV aberta, TV fechada e Pay-per-view. Do mesmo modo, o contrato atual do Atlético com a emissora de televisão teve início em 2019 e chegará ao seu último ano em 2024.

À medida que adentra o que é conhecido no cenário financeiro como “efeito escorregador”, esse valor não fica automaticamente bloqueado ou reservado para o pagamento da dívida.

Uma fonte interna do clube explicou que o Atlético teve que reforçar suas garantias por meio de outros ativos. Isso é parte do planejamento financeiro para cumprir todos os pagamentos. Caso haja algum inadimplemento, a fonte afirmou que o uso dessa garantia estará autorizado.

Outras garantias dadas pela Arena MRV

No processo de obtenção de crédito, o Atlético utilizou os recebíveis provenientes da venda de cadeiras e camarotes como garantia. Isso foi uma forma de antecipar recursos, já que os compradores dos espaços VIP adquiriram-nos de forma parcelada. Essa medida foi necessária para financiar o custo da Arena MRV de maneira imediata.

Inicialmente, estava prevista a venda de nove mil cadeiras cativas, porém, esse número foi reduzido para 5,2 mil, representando um pouco mais de 50% do total. Esse ajuste foi um dos fatores que levou os detentores dos Certificados de Recebíveis Imóveis (CRI’s) a solicitarem um aumento nas garantias. Essa alteração foi aprovada durante duas assembleias realizadas em julho de 2023.

As despesas relacionadas à construção do estádio atingiram o montante de R$ 746 milhões, sem considerar as contrapartidas de R$ 335 milhões. A parte interna da Arena MRV está praticamente finalizada, restando apenas alguns ajustes estéticos e a limpeza pós-obra. Além disso, ainda há intervenções viárias pendentes no complexo.

Atlético e Arena MRV optaram por realizar CRIs

O Atlético-MG optou por realizar duas operações de crédito distintas, chamadas de “Certificado de Recebíveis Imóveis – CRI’s“, por intermédio de uma securitizadora chamada Virgo. A primeira operação, no valor de R$ 200 milhões, ocorreu em dezembro de 2021, seguida por uma segunda de R$ 240 milhões em setembro de 2022.

Nos contratos, o Atlético/Arena MRV disponibilizou várias propriedades como garantia, incluindo camarotes, cadeiras cativas, vagas de estacionamento, toda a bilheteria e a cota de TV de 2024.

O plano traçado pelo Atlético para equilibrar o orçamento da Arena MRV, através dessa antecipação, e a estratégia para quitar a dívida de R$ 440 milhões (mais juros) dos CRI’s, já haviam sido revelados anteriormente.

Contudo, a novidade é a inclusão da cota de TV como mais um elemento de garantia. A reportagem confirmou que o clube está em dia com os pagamentos aos detentores dos CRI’s, tendo liquidado cerca de R$ 90 milhões.

As parcelas da dívida e dos juros variam anualmente e têm previsão de serem quitadas até setembro de 2029, que corresponde ao prazo dos certificados. A expectativa é que a Arena MRV injete consideráveis recursos nos cofres do Atlético. A partir deste ano, a estrutura também passará a ser propriedade da SAF. No entanto, até os próximos seis anos, os rendimentos gerados pela nova casa podem ser considerados como “comprometidos” para o pagamento da dívida de sua construção.

Continue lendo