Conecte-se conosco

Criptomoedas

Sheik das Criptomoedas: escândalo e golpe bilionário

Filipe Andrade

Publicado

em

Sheik das Criptomoedas: escandalo e golpe bilionario


O juiz federal Nivaldo Brunoni, da 23ª Vara Federal de Curitiba, concedeu liberdade provisória ao suposto líder do golpe de criptoativos, Francisley Valdevino da Silva, conhecido como o “Sheik das Criptomoedas”. Valdevino estava detido preventivamente desde novembro de 2022 na Casa de Custódia de São José dos Pinhais, região metropolitana de Curitiba, suspeito de movimentar ilegalmente R$ 4 bilhões.

Na decisão, o juiz justificou que a prisão preventiva havia sido decretada anteriormente para preservar a ordem pública. No entanto, atualmente não há prejuízos decorrentes da concessão da liberdade e os prazos estabelecidos por lei já se passaram. “Portanto, considerando o prazo decorrido e a ausência de circunstâncias temporais, entendo que a prisão preventiva deixou de ser indispensável para garantir a ordem pública”.

É possível conquistar sua liberdade financeira em até 5 anos? Baixe nossa planilha gratuita e simule o que você precisa fazer para viver apenas do seus investimentosClique aqui e comece a transformar sua vida financeira hoje mesmo!

Restrições e obrigações impostas ao Sheik das Criptomoedas

No alvará de soltura, o magistrado impôs restrições a Silva, como a proibição de sair de Curitiba sem comunicar o Juízo Federal. Qualquer mudança de endereço também deve ser informada. Além disso, foi determinado que ele não pode frequentar as empresas pertencentes ao grupo econômico investigado e está proibido de exercer atividades financeiras, devido ao receio de que possam ser utilizadas para a prática de infrações penais.

Silva não pode manter contato com os investigados, testemunhas relacionadas ao caso e supostas vítimas. Ele também deve comparecer perante a autoridade sempre que intimado e teve seu passaporte retido, ficando impedido de deixar o país.

Império cripto fraudulento desmorona

No final de 2016, Silva começou a construir um império fictício de criptoativos, formado por centenas de empresas. Anteriormente, ele trabalhava como vendedor de aquários e também atuava no ramo de marketing multinível. A fim de atrair suas vítimas, ele prometia rendimentos mensais de até 13,5% em um negócio fictício de locação de ativos digitais, algo incomum no mercado cripto, conhecido por sua volatilidade extrema. Outros golpes, como Braiscompany e GAS Consultoria, adotavam modelos semelhantes.

No ano passado, o império do Sheik das Criptomoedas começou a desmoronar, quando ele deixou de cumprir suas promessas aos clientes.

Continue lendo