Conecte-se conosco

Bolsa de valores

Decisão sobre juros pode ditar um rumo para a bolsa

Filipe Andrade

Publicado

em

bolsa

Se observarmos o Ibovespa nos últimos 20 pregões, é possível perceber um sinal de consolidação na casa dos 112 mil pontos, no entanto, a decisão sobre juros pode ditar um rumo para a bolsa.

divulgado no Mercado Hoje, teremos a “Super Quarta” hoje, que é o dia em que os bancos centrais do Brasil e dos EUA definem suas taxas básicas de juros.

Nesse sentido, os rumos a serem tomados pelos Banco Centrais de cada país podem afetar as bolsas do mundo inteiro (principalmente falando da decisão dos EUA).

Por que as decisões das taxas de juros afetam a bolsa?

Partindo da premissa de que os investidores buscam entender como será a economia futura, as taxas de juros de cada país formam um papel importante nessa busca.

Por exemplo, no caso das taxas de juros americanas subirem 1 ponto percentual (acima do que o mercado espera) em vez de 0,75 pontos percentuais, é muito provável que ocorra uma queda no mercado de ações.

Isso porque a metodologia mais comum para avaliar empresas envolve expectativas sobre as taxas de juros futuras, que muitas vezes são afetadas pelas decisões tomadas pelos bancos centrais sobre a taxa de juro presente.

Na prática, quanto maiores são os juros futuros, cotados pelo mercado, todos os dias, menores são os “valuations” das empresas que estão na bolsa, uma vez que esses juros futuros são utilizados para formar uma taxa de desconto, que buscam os valores de quanto cada empresa vale, hoje.

De forma simples, juros mais altos tendem a desacelerar a economia e frear a inflação, equanto juros mais baixos impulsionam a economia e, como consequência, podem gerar uma alta mais acentuada dos preços. Sendo assim, juros baixos são positivos para ações enquanto juros altos são negativos para a bolsa.

Consolidação do Ibovespa: Sinalização de compra ou venda?

Como já esperado pelo mercado brasileiro, este momento pré-eleição teve volatilidade nos preços mas, ao mesmo tempo, tem ficado em uma banda entre 110 e 113 mil pontos, aproximadamente.

Nesse sentido, para os analistas técnicos, o gráfico do índice (IBOV) vem formando um sinal interessante de compra, que pode ser chamado de bandeira ou flâmula.

A bandeira ou flâmula também são padrões gráficos que indicam a continuidade de um movimento, sendo fácil de serem identificados. Eles se formam quando há uma indecisão de preços temporária, que pode rapidamente retomar à direção anterior em igual intensidade.

O movimento começa com uma alta ou baixa acentuada, formando o mastro da bandeira ou da flâmula. Na sequência, o movimento é interrompido dando início a uma pequena correção de preços — originando o corpo da bandeira (paralelogramo) ou flâmula (triângulo).

O padrão é confirmado quando os preços rompem o corpo da bandeira ou flâmula, retomando o movimento anterior. Nesse cenário, é normal que a movimentação posterior seja do mesmo tamanho (intensidade) do corpo do mastro, podendo indicar um bom momento de se posicionar.

O Guia Financeiro

É essencial ressaltar que anaálises técnicas são baseadas em probabilidades e movimentos passados dos preços. Por tanto, este artigo não representa uma recomendação de compra ou venda.

O texto é meramente informativo e tem o objetivo de mostrar aos nossos leitores informações sobre o mercado financeiro.

Decisão sobre juros pode ditar um rumo para a bolsa

Como conclusão, no caso de uma medida negativa tomada pelos bancos centrais, este padrão de “bandeira” pode ser demontado e, consequentemente, afetar as informações ditas aqui.

Continue lendo