Conecte-se conosco

Bolsa de valores

Localiza (RENT3) cresce R$13 bi após fusão

Avatar photo

Publicado

em

A empresa de aluguel de veículos mineira Localiza (RENT3) cresce R$13 bi após fusão com Unidas.

De acordo com fontes próximas ao assunto, a compra da Unidas pela Localiza, foi muito rápida. A aprovação definitiva do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica), porém, aconteceu apenas em junho deste ano, mas com a indicação de remédios para que o negócio pudesse sair do papel.

Com isso, e conforme citado no Mercado Hoje, Localiza (RENT3) cresce R$13 bi após fusão e se torna a maior empresa de aluguel de veículos da América Latina.

JP Morgan vê Localiza (RENT3) com bons olhos

Após ter passado por um momento complexo, durante a pandemia da COVID19, a Localiza foi capaz de crescer não só através de aluguéis de veículos, mas também por vendas de carros seminovos.

Nesse sentido, “Acreditamos que os players de aluguel de carros devem ser os principais beneficiários da melhora nos indicadores de produção, levando em consideração a menor acessibilidade das pessoas físicas às aquisições por conta das taxas de financiamento mais altas”, diz o JPMorgan.

As grandes do setor, LocalizaUnidas Movida, que até pouco tempo atrás concentravam cerca de 80% do segmento, também visam se aproveitar do aquecimento do turismo no Brasil, uma vez que esse tipo de lazer tem taxas de crescimento acima do PIB anualmente e o dólar pouco convidativo fomenta as viagens dentro das fronteiras.

Hoje, a Localiza negocia a múltiplos maiores do que sua média histórica, mas ainda abaixo de seu topo histórico, atingido no fim de 2020. Para os especialistas consultados pela Refinitiv, porém, a empresa ainda tem valor a desbravar.

Localiza (RENT3) cresce R$13 bi após fusão e paga R$ 132 milhões em juros sobre capital próprio em agosto

Localiza informou ao mercado nesta quarta-feira que paga R$ 131,6 milhões em juros sobre capital próprio, o equivalente a R$ 0,17 por ação, no próximo dia 26 de agosto.

Desde o dia 1º de julho as ações estão sendo negociadas “ex-juros”, com acionistas na base até o dia 30 de junho tendo direito ao recebimento do provento.

Continue lendo