Conecte-se conosco

Ações

Banco Itaú (ITUB4) anuncia recompra de ações

Filipe Andrade

Publicado

em

Programa de Trainee Itaú: Vagas com salário de R$ 8,5 mil

O banco Itaú Unibanco (ITUB4) anunciou a aprovação de um programa de recompra de ações a partir do dia 25 de agosto de 2022. Além disso, está autorizado a aquisição de até 75 milhões de ações preferenciais de emissão própria.

Ainda mais, não haverá redução do valor do capital social, para manutenção em tesouraria, cancelamento ou recolocação no mercado. Com isso, as aquisições ocorrerão em bolsa de valores, até 24 de fevereiro de 2024, a valor de mercado.

Segundo o banco, com a recompra, existe um aumento na rentabilidade dos dividendos do Itaú. Nesse sentido, já que as ações adquiridas pelo banco são retiradas de circulação do mercado e o pagamento de dividendos é distribuído para uma quantidade menor de ações.

Quer saber como investir em ações? Participe do curso “Como Investir em Ações da Bolsa Brasileira de Forma Simples”, que será realizado neste sábado dia 27 de agosto de 2022 de 09h às 12h.

Banco Itaú apresenta resultados e pagamento de JCP

O banco Itaú apresenta seus resultados e pagamento de 30 centavos por ação em JCP. Além disso, a reunião do Conselho de Administração realizada em 05 de agosto de 2022 aprovou a deliberação referentes aos resultados do exercício do ano de 2022.

A notícia vem após os resultados do segundo trimestre do banco em 2022, que vieram em linha com as expectativas de mercado.

Nesse sentido, o banco apresentou lucro recorrente de R$ 7,7 bilhões, resultados 17,4% maior do que o mesmo período em 2021.

Banco vai devolver valor de cliente que fez transferência errada

O banco Itaú (ITUB4) foi condenado pela justiça de São Paulo a indenizar um cliente que realizou uma transferência errada e não prestar nenhum auxílio. Além disso, por decisão de desembargadores da 15ª Câmara de Direito Privado do TJ-SP (Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo), o banco deve devolver o valor de R$ 1.415 com correção monetária e juros.

Em primeira instância, o cliente não tinha conseguido a indenização, revertida agora. O desembargador Mendes Pereira, relator do recurso, reconhece que o erro inicial foi do cliente. O erro foi a digitação da conta a receber o valor, mas ressalta que a falta de respostas do banco evidencia falha na prestação do serviço. Segundo Pereira, “quando deveria ter bloqueado a operação e instaurado procedimento interno administrativo”.

Continue lendo