Mercado Hoje

Ibovespa fecha em forte queda com nova variante do coronavírus

Baixa Ibovespa

Nesta sexta-feira 26/11, o Ibovespa, principal índice de ações da bolsa de valores brasileira, fechou em forte queda de 3,39%. Nesse sentido, a nova variante do coronavírus, descoberta na África do Sul, derrubou as principais bolsas mundiais.

Além disso, os destaques positivos de sexta-feira ficaram por conta de Suzano (SUZB3) e Taesa (TAEE11). Ainda mais, essas foram as únicas duas ações que fecharam em alta de 0,15% e 0,11% respectivamente, na bolsa brasileira.

Os índices americanos Dow Jones, S&P 500 e Nasdaq fecharam em baixa de 2,53%, 2,27% e 2,23% respectivamente, com os temores de novos lockdowns fazendo investidores ficassem com forte aversão ao risco.

O dólar fechou em R$5,59, alta de 0,55% frente ao real, mas terminou a semana em queda de 0,23%.

1. Mercados globais

Hoje os mercados europeus amanhecem positivos com o EURO STOXX em alta de 1,18% às 09:00. Do mesmo, os destaques positivos ficam por conta das ações do setor de viagem e lazer.

Nos EUA, os mercados futuros operam positivos, com o DJIA em alta de 0,70% e o índice NASDAQ sobe 1,19%.

Na China, a bolsa de Shangai fechou em baixa de 0,04%, com reflexo da descoberta da nova variante do coronavírus encontrada no continente africano.

2. Sobre o COVID

Mais de 306,9 milhões de vacinas foram aplicadas até o dia 28/11 no Brasil, com número médio de mortes e os números de novos casos em tendência de queda. Adicionalmente, 62,25% da população brasileira recebeu a segunda dose ou vacina de dose única.

3. Notícias importantes de hoje

Hoje foi divulgado o IGP-M (Índice Geral de Preços), referente ao mês de novembro, que subiu 0,02%, ante alta de 0,64% no mês anterior. Entretanto, o índice que é utilizado para reajuste no valor de aluguéis de imóveis, acumula alta de 16,77% no ano e de 17,89% em 12 meses.

A gigante Petrobras (PETR4) e o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) chegaram a um acordo sobre refinaria Abreu e Lima (RNEST). Segundo informações, a petroleira precisa vender a refinaria até o final de 2022.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.