Mercado Hoje

Ibovespa fecha próximo da estabilidade no aguardo da PEC dos precatórios

Nesta segunda-feira 08/11, o Ibovespa, principal índice de ações da bolsa de valores brasileira, fechou em leve baixa de 0,04%. Nesse sentido, o índice operou próximo da estabilidade no aguardo da votação da PEC dos precatórios que será nesta terça-feira.

Além disso, os destaques positivos de segunda-feira ficaram por conta de Vale (VALE3), Usiminas (USIM5) e Cogna (COGN3). Ainda mais,as ações ligadas ao setor de commodities, principalmente ao minério de ferro, fecharam no positivo com melhora na economia americana.

Os índices americanos Dow Jones, S&P500 e Nasdaq fecharam em alta de 0,29%, 0,09% e 0,07% respectivamente, com boas expectativas sobre uma recuperação mais forte da economia americana.

O dólar fechou em R$5,54, alta de 0,33% frente ao real com incertezas sobre a aprovação da PEC dos precatórios no segundo turno na câmara dos deputados.

1. Mercados globais

Hoje os mercados europeus amanhecem positivos com o EURO STOXX em alta de 0,16% às 09:00. Do mesmo, o mercado aguarda o discurso da presidente do Banco Central Europeu, que ocorrerá hoje.

Nos EUA, os mercados futuros operam mistos, com o DJIA em leve baixa de 0,09% e o índice NASDAQ sobe 0,22%.

Na China, a bolsa de Shangai fechou em queda de 0,75%, com destaque negativo para o setor de tecnologia.

2. Sobre o COVID

Mais de 287 milhões de vacinas foram aplicadas até o dia 08/11 no Brasil, com número médio de mortes e os números de novos casos em tendência de baixa. Adicionalmente, 56,52% da população brasileira recebeu a segunda dose ou vacina de dose única.

3. Notícias importantes de hoje

A B3 (B3SA3) divulgou o número total de investidores na bolsa que alcançou 3.386.310 de pessoas físicas individuais em outubro. Além disso, esses dados representam um aumento de 28,1% em comparação ao mesmo mês do ano passado.

As empresas Porto Seguro (PSSA3) e Cosan (CSAN3) anunciaram a criação de uma nova empresa especializada em assinatura de veículos e de gestão de frotas. Ainda mais, as empresas apostam na crescente necessidade de mobilidade urbana.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.